Compêndio de anedotas, parábolas, fábulas e ilustraçõesCompêndio de anedotas, parábolas, fábulas e ilustrações para reforçar os valores e princípios educacionais
Parábolas para educar em valores
Examine as Escrituras DiariamenteExamine as Escrituras Diariamente 2014 com as suas referências
Texto do Día em JW.org
Estudo bíblico de congregaçãoAchegue-se a Jeová - referências bíblicas
Estudo bíblico de congregação
Estudo de A SentinelaEstudo de A Sentinela - baixar referências
Estudo de "A Sentinela"
Reunião de Serviço com informação de: Nosso Ministério do ReinoReunião de Serviço com informação de: Nosso Ministério do Reino
Reunião de Serviço
Repaso Escola do Ministério TeocráticoRepaso Escola do Ministério Teocrático - baixar referências
Repaso Escola do Ministério Teocrático
Nossas Reuniões Tudo Em Um (TEU) Nossas Reuniões Tudo Em Um (TEU) - Baixar o arquivo com as referências todas as nossas reuniões
Nossas Reuniões Tudo Em Um (TEU)
Escola do Ministério TeocráticoEscola do Ministério Teocrático - baixar referências
Escola do Ministério Teocrático
Destaques da leitura da BíbliaDestaques da leitura da Bíblia - baixar referências
Destaques da leitura da Bíblia
As Fábulas de Esopo com lições e moralAs Fábulas de Esopo com lições e moral
Fábulas de Esopo com lições

REFERÊNCIAS PARA ESTUDO >>

ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO >>

1‒7 DE SETEMBRO DE 2014

« Clique em uma imagem ou ver a Tabela de Conteúdos »

Observação: O conteúdo deste site tem uma finalidade educacional, informativa e cultural. É orientado para todos os tipos de pessoas. Este blog usa Publicidade e Doações para manter seus serviços. Publicidade do Google destina-se a família, mas se você ver um anúncio que possa perturbar você pode fechá-lo com um clique no [X].

Custom Search

Recapitulação da Escola do Ministério Teocrático Janeiro - Fevereiro 2014

Referências para Recapitulação da Escola do Ministério Teocrático Janeiro - Fevereiro 2014


Referências ao Recapitulação da Escola do Ministério Teocrático Janeiro - Fevereiro 2014

Neste link você pode baixar o arquivo em formato Word para a sua preparação:
>> Recapitulação da Escola do Ministério Teocrático Janeiro - Fevereiro 2014 <<


Recapitulação da Escola do Ministério Teocrático Janeiro - Fevereiro 2014



As seguintes perguntas serão consideradas na Escola do Ministério Teocrático na semana de 24 de fevereiro de 2014.

1. Satanás levou Eva a se concentrar em quê? O que ela mostrou por comer do fruto proibido? (Gên. 3:6) [6 de jan., w11 15/5 pp. 16-17 § 5]


^ Gên. 3:6 Conseqüentemente, a mulher viu que a árvore era boa para alimento e que era algo para os olhos anelarem, sim, a árvore era desejável para se contemplar. De modo que começou a tomar do seu fruto e a comê-lo. Depois deu também dele a seu esposo, quando estava com ela, e ele começou a comê-lo.
^ ***w11 15/5 pp. 16-17 Quem é a Pessoa mais importante na sua vida?***
5 Além disso, Satanás distorceu os fatos. Deu a entender que Deus foi injusto ao exigir que Adão e Eva ‘não comessem de toda árvore do jardim’. Em seguida, Satanás levou Eva a pensar em si mesma e sobre como, supostamente, poderia melhorar a sua sorte na vida, tornando-se “como Deus”. Por fim, o Diabo a induziu a focalizar a árvore e o seu fruto, em vez de a sua relação com Aquele que lhe dera todas as coisas.(Leia Gênesis 3:6.) Infelizmente, por comer do fruto, Eva mostrou que Jeová não era a Pessoa mais importante na sua vida.

2. Como provavelmente Abel desenvolveu uma forte fé, e no que ela resultou? (Gên. 4:4, 5; Heb. 11:4) [6 de jan., w13 1/1 p. 12 § 3;p. 14 §§ 4-5]


^ Gên. 4:4, 5 Mas, quanto a Abel, ele também trouxe dos primogênitos do seu rebanho, sim, dos seus pedaços gordos. Ora, ao passo que Jeová olhava com favor para Abel e para sua oferenda, 5 não olhava com favor para Caim e para sua oferenda. E acendeu-se muito a ira de Caim, e seu semblante começou a descair.
^ Heb. 11:4 Pela fé Abel ofereceu a Deus um sacrifício de maior valor do que Caim, sendo por esta [fé] que se lhe deu testemunho de que era justo, dando Deus testemunho com respeito a suas dádivas; e por intermédio dela, embora morto, ainda fala.
^ ***w13 1/1 p. 12 ‘Embora morto, ele ainda fala’***
O apóstolo Paulo foi inspirado a dizer: “Por intermédio dela, embora morto, [Abel] ainda fala.” (Hebreus 11:4) Por meio do que Abel fala? Por meio da fé. Abel foi o primeiro humano a desenvolver essa bela qualidade. E ele a demonstrou de modo tão notável que seu exemplo continua vivo, um modelo excelente para seguirmos hoje. Se aprendermos de sua fé e nos esforçarmos para imitá-la, Abel falará conosco de maneira vívida e motivadora.
^ ***w13 1/1 p. 14 ‘Embora morto, ele ainda fala’***
Imagine Abel vendo aqueles querubins quando era menino. Seus corpos materializados com certeza revelavam imenso poder. E aquela espada de fogo, que nunca se apagava nem deixava de girar, também inspirava reverência. À medida que Abel crescia, será que viu alguma vez aqueles querubins abandonarem seu posto por estarem cansados de ficar ali? Não. Dia e noite, ano após ano, década após década, aquelas poderosas criaturas inteligentes permaneciam no mesmo lugar. Abel aprendeu assim que Jeová Deus tinha servos justos e fiéis. Naqueles querubins, Abel via um tipo de lealdade e obediência a Jeová que ele não via em sua própria família. Sem dúvida, aquele exemplo angélico fortaleceu sua fé.
Por meditar em tudo que Jeová tinha revelado sobre si mesmo por meio da criação, de suas promessas e dos exemplos de seus servos, Abel fortaleceu cada vez mais sua fé. Seu exemplo tem muito a nos dizer, não concorda? Os jovens em especial talvez achem animador saber que podem desenvolver verdadeira fé em Jeová, não importa o que seus familiares façam. Hoje nós temos as maravilhas da criação à nossa volta e a Bíblia inteira à nossa disposição, bem como muitos exemplos de fé a imitar. Desse modo, temos ajuda de sobra para desenvolver fé.

3. Como os pais podem ajudar seus filhos a não admirar os “poderosos” e os “homens de fama” do mundo? (Gên. 6:4) [13 de jan., w13 1/4 p. 13 § 2]


^ Gên. 6:4 Naqueles dias veio a haver os nefilins na terra, e também depois, quando os filhos do [verdadeiro] Deus continuaram a ter relações com as filhas dos homens e elas lhes deram filhos; eles eram os poderosos da antiguidade, os homens de fama.
^ ***w13 1/4 p. 13 Ele “andou com o verdadeiro Deus”***
Os pais hoje podem entender muito bem Noé e sua esposa. O mundo hoje também está contaminado pela violência e pelo espírito de rebelião. Até mesmo o entretenimento para crianças está repleto desses temas. Pais sábios fazem tudo que podem para lutar contra essas influências por ensinar seus filhos sobre o Deus de paz, Jeová, que um dia acabará com toda a violência. (Salmo 11:5; 37:10, 11) É possível ter bons resultados! Noé e sua esposa foram bem-sucedidos. Seus filhos se tornaram homens bons e se casaram com mulheres que também queriam colocar o verdadeiro Deus, Jeová, em primeiro lugar na vida.

4. O que aprendemos no relato sobre Ló e sua esposa, registrado em Gênesis 19:14-17, 26? [27 de jan., w03 1/1 pp. 16-17 § 20]


^ Gên. 19:14-17 Ló saiu, por isso, e começou a falar com os seus genros, que haviam de tomar suas filhas, e dizia-lhes: “Levantai-vos! Saí deste lugar, porque Jeová vai arruinar a cidade!” Mas ele parecia aos olhos de seus genros como quem estava brincando. 15 No entanto, ao subir a alva, os anjos ficaram insistentes com Ló, dizendo: “Levanta-te! Toma tua esposa e as duas filhas tuas que se acham aqui, para que não sejas arrasado no erro da cidade!” 16 Demorando-se ele ainda, então, na compaixão de Jeová para com ele, os homens agarraram-lhe a mão, e a mão de sua esposa, e as mãos de suas duas filhas, e passaram a levá-lo para fora e a deixá-lo fora da cidade. 17 E sucedeu que, assim que os tinham levado para fora, aos arrabaldes, começou a dizer: “Escapa-te, por tua alma! Não olhes para trás e não pares em todo o Distrito! Escapa para a região montanhosa, para que não sejas arrasado!”
^ Gên. 19:26 E a esposa dele começou a olhar em volta, por detrás dele, e ela se tornou uma coluna de sal.
^ ***w03 1/1 pp. 16-17 Agora, mais do que nunca, fique desperto!***
Uma lição dada por Ló
20 É claro que até mesmo servos fiéis de Deus podem momentaneamente perder o senso de urgência. Pense em Ló, sobrinho de Abraão. Ele soube por meio de dois visitantes angélicos que Deus estava para destruir Sodoma e Gomorra. A notícia não deve ter surpreendido Ló, “a quem afligia grandemente que os que desafiavam a lei se entregavam à conduta desenfreada”. (2 Pedro 2:7) Ainda assim, quando os dois anjos vieram levá-lo para fora de Sodoma, ele ‘demorava’. Os anjos quase tiveram de arrastar a ele e sua família para fora da cidade. Subseqüentemente, a esposa de Ló desconsiderou a advertência dos anjos, de não olhar para trás. Esse descuido custou-lhe a vida. (Gênesis 19:14-17, 26) “Lembrai-vos da mulher de Ló”, advertiu Jesus. — Lucas 17:32.

5. Como Abraão mostrou que tinha fé na ressurreição e na promessa de Jeová de trazer o descendente por meio de Isaque? (Gên. 22:1-18) [3 de fev., w09 1/2 p. 18 § 4]


^ ***w09 1/2 p. 18 A maior prova do amor de Deus***
Seguiu-se uma viagem de três dias, o que deu a Abraão tempo para meditar seriamente no assunto. Mas ele continuou firme em sua determinação. Suas palavras revelaram sua fé. Ao ver à distância o monte escolhido, ele disse aos seus ajudantes: “Ficai aqui . . . , mas eu e o rapaz queremos ir para lá e adorar, e retornar a vós.” Quando Isaque perguntou onde estava o animal para a oferta, Abraão disse: “Deus providenciará para si o ovídeo.” (Versículos 5, 8) Abraão tinha esperança de voltar com seu filho. Por quê? Porque “ele achava que Deus era capaz de levantá-lo [Isaque] até mesmo dentre os mortos”. — Hebreus 11:19.

6. Que coisas importantes podemos aprender da profecia deGênesis 25:23, que diz que ‘o filho mais velho serviria ao mais jovem’? [10 de fev., w03 15/10 p. 29 § 2]


^ Gên. 25:23 E Jeová passou a dizer-lhe: “Há duas nações no teu ventre e dois grupos nacionais serão separados das tuas entranhas; e um grupo nacional será mais forte do que o outro grupo nacional, e o mais velho servirá ao mais jovem.”
^ ***w03 15/10 p. 29 Jacó prezava os valores espirituais***
Jacó, de forma alguma, usurpou a herança de Esaú. Antes de os meninos nascerem, Jeová disse que ‘o mais velho serviria ao mais jovem’. (Gênesis 25:23) Talvez alguém pergunte: ‘Não teria sido mais fácil se Deus tivesse permitido que Jacó nascesse primeiro?’ O que se seguiu ensinou verdades importantes. Deus não reserva bênçãos para os que acham que têm direito a elas, porém mostra benignidade imerecida aos que ele escolhe. O direito de primogênito foi por isso entregue a Jacó, não ao seu irmão mais velho, que não o prezava. De modo similar, visto que os judeus naturais como nação demonstraram a mesma atitude de Esaú, foram substituídos pelo Israel espiritual. (Romanos 9:6-16, 24) O bom relacionamento com Jeová hoje em dia nunca resulta de uma herança adquirida sem esforço, mesmo que alguém tenha nascido numa família ou num ambiente onde se teme a Deus. Os que desejam ter a bênção divina precisam se esforçar a ser piedosos, prezando profundamente as coisas espirituais

7. Qual é o significado do sonho de Jacó sobre ‘anjos de Deus subindo e descendo por uma escada’? (Gên. 28:12, 13) [10 de fev., w04 15/1 p. 28 § 6]


^ Gên. 28:12, 13 E começou a sonhar, e eis que havia uma escada posta na terra e seu topo tocava nos céus; e eis que anjos de Deus subiam e desciam por ela. 13 E eis que Jeová estava parado acima dela e passou a dizer: “Eu sou Jeová, o Deus de Abraão, teu pai, e o Deus de Isaque. A terra em que estás deitado, eu vou dá-la a ti e à tua descendência.
^ ***w04 15/1 p. 28 Destaques do livro de Gênesis — II***
Perguntas bíblicas respondidas:
28:12, 13 — Qual é o significado do sonho de Jacó com uma “escada”? Essa “escada”, que talvez se parecesse com um lance de degraus de pedra, indicava que há comunicação entre a Terra e o céu. O fato de haver anjos de Deus subindo e descendo por ela mostra que os anjos desempenham um papel importante em ministrar entre Jeová e os humanos que têm sua aprovação. — João 1:51.

8. Por que Labão queria muito encontrar os terafins roubados? (Gên. 31:30-35) [17 de fev., it-2 p. 636 § 2]


^ Gên. 31:30-35 Embora realmente tenhas ido agora por teres muitíssima saudade da casa de teu pai, por que, então, furtaste os meus deuses?”31 Em resposta, Jacó passou a dizer a Labão: “Foi porque tive medo. Pois eu disse para mim: ‘Talvez me arrebatas as tuas filhas.’ 32 Não viva aquele com quem achares os teus deuses. Diante dos nossos irmãos, examina tu mesmo o que está comigo e toma-[os] para ti.” Mas Jacó não sabia que Raquel os havia furtado. 33 Labão entrou assim na tenda de Jacó, e na tenda de Léia, e na tenda das duas escravas, mas não [os] achou. Por fim saiu da tenda de Léia e entrou na tenda de Raquel. 34 Ora, Raquel tinha tomado os terafins e os tinha colocado no cesto das mulheres da sela do camelo, e estava sentada neles. Labão foi assim apalpar a tenda inteira, mas não [os] achou. 35 Ela disse então a seu pai: “Não haja ira nos olhos de meu senhor, por eu não me poder levantar diante de ti, pois estou com a coisa costumeira das mulheres.” De modo que ele prosseguiu na busca cuidadosa, mas não achou os terafins.
^ ***it-2 p. 636 Labão***
Labão estava muito interessado em recuperar os terafins ou ídolos domésticos, que Raquel, sem que Jacó o soubesse, havia roubado. Labão não conseguiu encontrá-los, pois Raquel os manteve escondidos. Labão talvez tivesse sido influenciado em suas idéias religiosas pelo povo adorador da lua entre o qual vivia, e isto pode ser indicado pelo emprego que fazia de presságios e por possuir terafins. No entanto, deve-se observar que é provável que outras razões, mais do que as simplesmente religiosas, tenham deixado Labão tão ansioso de localizar e recuperar os terafins. Tabuinhas descobertas em escavações feitas em Nuzi, perto de Quircuque, Iraque, revelam que, de acordo com as leis dos tempos patriarcais nessa região específica, a posse de tais ídolos domésticos por parte do marido de uma mulher lhe daria o direito de se dirigir a um tribunal e reivindicar o espólio de seu sogro falecido. Assim, Labão pode muito bem ter pensado que Jacó tivesse roubado os terafins com a intenção de, posteriormente, privar da herança os próprios filhos de Labão. Isto talvez explique por que, não conseguindo localizar os seus deuses domésticos, Labão se mostrou ansioso de celebrar um acordo com Jacó que garantisse que Jacó não retornaria, de posse dos deuses domésticos, após a morte de Labão, para privar da herança os seus filhos. — Gên 31:30-35, 41-52.

9. O que aprendemos da resposta que o anjo deu a Jacó, registrada em Gênesis 32:29? [24 de fev., w13 1/8 p. 10]


^ Gên. 32:29 Jacó, por sua vez, indagou e disse: “Declara-me o teu nome, por favor.” No entanto, ele disse: “Por que indagas o meu nome?” Abençoou-o então ali.
^ ***w13 1/8 p. 10 Por que a Bíblia não menciona o nome de algumas pessoas?***
NOSSOS LEITORES PERGUNTAM . . .
Por que a Bíblia não menciona o nome de algumas pessoas?
No livro bíblico de Rute, um homem que se recusou a cumprir seu dever de acordo com a Lei mosaica foi simplesmente chamado de Fulano. (Rute 4:1-12) Devemos concluir então que a Bíblia não menciona o nome de algumas pessoas porque elas eram más ou não tinham importância?
Não. Veja outro exemplo. Em preparação para sua última refeição de Páscoa, Jesus disse a seus discípulos que fossem à cidade, à casa de “fulano” [“um certo homem”, Almeida, revista e corrigida]. (Mateus 26:18) Devemos concluir que esse “fulano” era um homem mau ou era tão insignificante que seu nome não devia ser mencionado? De jeito nenhum; o “certo homem” mencionado aqui sem dúvida era um discípulo de Jesus. Já que seu nome não era essencial no relato, foi omitido.
Além disso, o registro bíblico contém o nome de muitas pessoas perversas, ao passo que deixa de mencionar o nome de muitas pessoas fiéis. Por exemplo, o nome da primeira mulher, Eva, é bem conhecido. Mas seu egoísmo e desobediência contribuíram para o pecado de Adão, o que trouxe terríveis consequências para todos nós. (Romanos 5:12) Em contraste, o nome da esposa de Noé não é mencionado nas Escrituras, mas nós devemos muito a seu espírito altruísta e obediente ao apoiar seu marido em sua obra vital. Obviamente, ter seu nome omitido não indica que ela não era importante ou que Deus não a apoiava.
Outras pessoas também não foram mencionadas por nome no registro bíblico, mas desempenharam um papel importante, e até mesmo heroico, no propósito de Jeová. Pense na menina israelita que era escrava na casa de Naamã, um chefe do exército sírio. Ela corajosamente falou com sua senhora, a esposa de Naamã, sobre o profeta de Jeová em Israel. Isso levou a um grande milagre. (2 Reis 5:1-14) A filha do juiz israelita Jefté também deu um excelente exemplo de fé. Para cumprir um voto que seu pai havia feito, ela se dispôs a desistir da perspectiva de casar-se e ter filhos. (Juízes 11:30-40) Do mesmo modo, a Bíblia não menciona o nome de compositores de mais de 40 salmos e de profetas que fielmente cumpriram importantes designações. — 1 Reis 20:37-43.
Talvez um exemplo mais impressionante seja o dos anjos fiéis. Há centenas de milhões deles, mas somente dois são mencionados por nome na Bíblia: Gabriel e Miguel. (Daniel 7:10; Lucas 1:19; Judas 9) Os outros permanecem anônimos nos relatos bíblicos. Por exemplo, Manoá, o pai de Sansão, perguntou a um anjo: “Qual é teu nome, para que certamente te honremos quando se cumprir a tua palavra?” Em resposta, o anjo lhe disse: ‘Por que é que me perguntas pelo meu nome?’ Modestamente, esse anjo se recusou a aceitar a honra que cabia apenas a Deus. — Juízes 13:17, 18.
A Bíblia não dá detalhes sobre o motivo de algumas pessoas serem mencionadas por nome e outras não. Mas podemos aprender muito dessas pessoas e dos anjos fiéis que serviram a Deus sem nenhuma pretensão de conseguir fama ou prestígio.

10. Como podemos evitar cair no mesmo erro de Diná? (Gên. 34:1, 2) [24 de fev., w01 1/8 pp. 20-21]


^ Gên. 34:1, 2 Ora, Diná, filha de Léia, que esta dera à luz a Jacó, costumava sair para ver as filhas do país. 2 E Siquém, filho de Hamor, o heveu, maioral do país, chegou a vê-la e tomou-a, e deitou-se com ela e a violentou.
^ ***w01 1/8 pp. 20-21 Deixe que seus hábitos o beneficiem***
No caso do homem mencionado no começo, a força do hábito só o fez perder algum tempo no trânsito da cidade. Quando se trata de assuntos mais importantes, os hábitos podem recompensar-nos com bom êxito ou resultar em calamidade para nós. Considere alguns exemplos da vida real encontrados na Bíblia, que mostram como os hábitos podem ajudar ou dificultar nosso serviço prestado a Deus e nosso relacionamento com ele.
Exemplos bíblicos de hábitos bons e maus
Noé, Jó e Daniel foram todos abençoados por terem um relacionamento íntimo com Deus. A Bíblia exalta-os “por causa da sua justiça”. (Ezequiel 14:14) É significativo que a vida de todos esses três homens mostra que eles tinham criado bons hábitos.
Mandou-se a Noé construir uma arca, uma embarcação mais comprida do que um campo de futebol e mais alta do que um prédio de cinco pavimentos. Este enorme projeto teria sido difícil para qualquer construtor de navios nos tempos antigos. Noé e os sete membros da sua família construíram a arca sem a ajuda de equipamentos modernos. Além disso, Noé continuou a pregar aos seus contemporâneos. Podemos ter certeza de que supria também as necessidades espirituais e físicas da família. (2 Pedro 2:5) Para realizar tudo isso, Noé deve ter tido bons hábitos de trabalho. Além disso, a história bíblica registra que Noé “andou com o verdadeiro Deus. . . . Noé passou a fazer segundo tudo o que Jeová lhe mandara”. (Gênesis 6:9, 22; 7:5) Visto que a Bíblia declara que ele era “sem defeito”, deve ter continuado a andar com Deus depois do Dilúvio e mesmo depois que a rebelião contra Jeová surgiu em Babel. Deveras, Noé continuou a andar com Deus até a sua morte aos 950 anos. — Gênesis 9:29.
Os bons hábitos de Jó ajudaram-no a ser um homem “inculpe e reto”. (Jó 1:1, 8; 2:3) Por costume, ou habitualmente, ele atuava como sacerdote da família, oferecendo sacrifícios a favor dos filhos depois de cada um dos banquetes que eles davam, caso tivessem “‘pecado e amaldiçoado a Deus no seu coração’. Assim Jó fazia sempre”. (Jó 1:5) Sem dúvida, na família de Jó se destacavam os costumes que giravam em torno da adoração de Jeová.
Daniel serviu a Jeová “com constância” durante toda a sua longa vida. (Daniel 6:16, 20) Que bons hábitos espirituais tinha Daniel? Em primeiro lugar, ele orava regularmente a Jeová. Apesar dum decreto do rei contra esta prática, Daniel ‘punha-se de joelhos três vezes por dia, e orava e oferecia louvor perante seu Deus, assim como havia feito regularmente’. (Daniel 6:10) Não podia abrir mão do seu hábito de orar a Deus mesmo quando isso ameaçava a sua vida. Sem dúvida, este hábito fortaleceu a Daniel numa vida de integridade excepcional para com Deus. É evidente que Daniel tinha também o bom hábito de estudar e de refletir profundamente nas promessas emocionantes de Deus. (Jeremias 25:11, 12; Daniel 9:2) Estes bons hábitos certamente o ajudaram a perseverar até o fim, seguindo fielmente na corrida pela vida, até o seu término.
Em contraste, Diná teve sérios problemas por causa dum mau hábito. Ela “costumava sair para ver as filhas do país”, que não adoravam a Jeová. (Gênesis 34:1) Este hábito aparentemente inocente resultou numa catástrofe. Primeiro, ela foi violentada por Siquém, um jovem considerado “o mais honrado de toda a casa de seu pai”. Daí, a reação vingativa de dois dos irmãos dela levou-os a matar todos os varões duma cidade inteira. Que resultado horrível! — Gênesis 34:19, 25-29.
Como podemos ter certeza que os nossos hábitos nos beneficiarão e não nos prejudicarão?
Faça bom uso dos hábitos
“Hábitos são o produto do destino”, escreveu certo filósofo. Mas eles não precisam ser isso. A Bíblia mostra de modo bem claro que podemos decidir nos livrar de maus hábitos e cultivar os bons.
Com bons hábitos, o modo de vida do cristão torna-se mais eficiente e mais fácil de seguir. Alex, um cristão na Grécia, diz: “O hábito de me apegar a uma programação para realizar diversas tarefas me poupa tempo valioso.” Theophilus, ancião cristão, destaca o planejamento como hábito que o ajuda a ser eficaz. Ele diz: “Estou plenamente convencido de que não conseguiria cuidar bem dos meus deveres cristãos sem o hábito de fazer bom planejamento.”
Nós, como cristãos, somos exortados a ‘prosseguir andando ordeiramente na mesma rotina’. (Filipenses 3:16) A rotina envolve o “hábito de fazer as coisas sempre da mesma maneira”. Bons hábitos assim nos beneficiam porque não temos de parar para decidir o próximo passo, pois já estabelecemos um bom modelo que seguimos pela força do hábito. Hábitos fortes tornam-se quase que automáticos. Assim como hábitos seguros de dirigir um carro podem orientar o motorista a tomar decisões instantâneas que salvam vidas quando confrontado com perigos na estrada, os bons hábitos podem ajudar-nos a tomar rapidamente decisões apropriadas no nosso rumo cristão.
Conforme se expressou o escritor inglês Jeremy Taylor: “Os hábitos são a prole da ação.” Se os nossos hábitos forem bons, poderemos realizar boas coisas com pouca dificuldade. Por exemplo, quando nós, como ministros cristãos, temos por hábito participar regularmente na pregação, é mais fácil e mais agradável sair no serviço de campo. Referente aos apóstolos, lemos que eles “cada dia, no templo e de casa em casa, continuavam sem cessar a ensinar e a declarar as boas novas a respeito do Cristo, Jesus”. (Atos 5:42; 17:2) Por outro lado, se participarmos no ministério apenas ocasionalmente, talvez nos sintamos ansiosos, precisando de mais tempo para pegar o ritmo antes de nos sentirmos confiantes nesta atividade cristã vital.
O mesmo se dá com outros aspectos de nossa rotina cristã. Bons hábitos podem ajudar-nos a regularmente ‘ler dia e noite a Palavra de Deus’. (Josué 1:8; Salmo 1:2) Certo cristão tem por hábito ler a Bíblia por 20 a 30 minutos antes de dormir. Mesmo quando está muito cansado, não consegue dormir bem sem fazer a leitura. Precisa levantar-se e cuidar desta necessidade espiritual. Este bom hábito já o ajudou também a ler a Bíblia inteira uma vez por ano, por vários anos.
Nosso Exemplo, Jesus Cristo, tinha por hábito assistir a reuniões em que se considerava a Bíblia. “Segundo o seu costume no dia de sábado, entrou na sinagoga e levantou-se para ler.” (Lucas 4:16) Para Joe, ancião com uma grande família, que trabalha longas horas, o hábito o ajudou a desenvolver a necessidade e o desejo de assistir regularmente às reuniões. Ele diz: “Este hábito me ajuda a perseverar, dando-me a muito necessária força espiritual para poder

Referências consultadas no site: "Biblioteca On-Line da Torre de Vigia"


Referências ao Recapitulação da Escola do Ministério Teocrático Janeiro - Fevereiro 2014

ShareThis

Custom Search